Nós de ligação ao carreto.

Nós de ligação ao carreto.




Uma parte fundamental da preparação do material de pesca começa com a ligação do fio à bobina do carreto. Trata-se de um primeiro passo importante para posteriormente assegurar a ligação da amostra ao material que vamos utilizar nas sessões de pesca. A linha que vamos atar ao carreto tanto pode ser a linha principal de pesca, ou seja, aquela que vai ser atada à amostra, como pode ser uma linha acessória que apenas pretende ocupar espaço para permitir depois um melhor encaixe e uma melhor utilização da linha principal.

Existem dois aspectos fundamentais a considerar quando pretendemos realizar um nó para ligar a linha ao carreto. Um deles é a questão da aderência da linha. Convém que o nó permita uma boa aderência á bobina do carreto, evitando que a linha rode à medida que damos voltas ao carreto. Uma boa aderência é sempre importante, pois reduz o tempo que iremos dispensar para encher a bobina. Um outro aspecto a considerar é a resistência do nó. Este aspecto torna-se critico em situações muito excepcionais, ou seja, quando surge um peixe extraordinário e extremamente forte que nos leva metros e metros de linha durante o combate. Nestas circunstâncias extremamente raras, convém ter um nó relativamente resistente que evite que o nosso oponente leve toda a nossa linha.

Para assegurar uma maior resistência na parte terminal, é aconselhável trabalhar sempre com duas linhas no carreto: uma mais grossa e muito mais resistente para preencher espaço na bobina, e depois a linha principal, mais fina e menos resistente. Se o nó de união entre as linhas estiver bem realizado, a resistência adicional da primeira linha permite aumentar significativamente a resistência de todo o conjunto durante o combate.

Relativamente ao nó de ligação à bobina do carreto, existem várias opções que se podem utilizar. As mais comuns e aquelas que são mais aconselháveis são: o nó Uni e o nó Arbor. Ambos os nós devem ser bem apertados e testados, quer ao nível da resistência, quer ao nível da tendência para deslizar na bobina.

O nó Uni é utilizado sobretudo para empatar anzóis, mas também pode ser aplicado na ligação da linha ao carreto. As instruções e a animação inerentes á construção deste nó podem ser consultadas no site da netknots. Para aqueles que preferem o video, podem clickar abaixo:

 

Por sua vez, o nó Arbor é utilizado exclusivamente para a ligação da linha ao carreto. As instruções e a animação inerentes á construção deste nó podem ser consultadas no site da netknots. Para aqueles que preferem o video, podem clickar abaixo:

Apesar destes não serem nós que são realizados muitas vezes, não deixam de ter a sua importância pontual, especialmente para aqueles de nós que pescam exclusivamente com uma única linha no carreto. Para assegurar que a linha é utilizada com segurança até aos últimos metros, convém perder algum tempo para encontrar um bom nó e depois aperfeiçoar a técnica necessária à sua realização. Para estes casos concretos, algumas capturas podem estar dependentes da eficácia destes nós.

A nível pessoal, tenho uma experiência um pouco diferente. Sempre utilizei o nó Arbor, mas já há uns 5 anos que não realizo a ligação à bobina, pois pesco sempre com duas linhas de apoio à linha principal. Também não tenho tido sorte de encontrar um peixe com capacidade para me levar 200 metros de linha 🙂

Portanto, ainda estou à espera que surja oportunidade para realizar uma limpeza séria à bobina do carreto!

Comentários Facebook - Trutas.PT
Related Posts with Thumbnails


Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.