1 hora rápida no Rio Alfusqueiro – Campia.

1 hora rápida no Rio Alfusqueiro – Campia.


Terminada a pescaria no Rio Criz e depois de uma paragem num tasco manhoso da zona para uma bebida fresca, começaram a surgir as primeiras vozes discordantes relativamente à continuação da jornada. Alguns dos companheiros de pesca tinham planos para jantar e já eram seis horas. Por isso, a ida ao Vouga começou a tornar-se difícil de concretizar, e como tal resolveu-se avançar para o plano de contingência: uma visita relâmpago ao Alfusqueiro na praia fluvial de Campia. A ideia era realizar alguns lançamentos durante meia hora! Bem, não acreditei muito que fosse só meia hora, mas logo veríamos.

Depois de meia hora de viagem, chegamos ao local pretendido e rápidamente nos dividimos em duas equipas. Eu e o Prof. Arlindo Cunha iriamos realizar o troço abaixo do açude, pescando de jusante para montante, enquanto que o Dr. Sousa Rodrigues iria bater o açude e corrente lenta para montante, passando por debaixo da ponte da A25.

Com o sol a baixar, tivemos que realizar o caminho para jusante do açude evitando que as nossas sombras se fizessem sentir no rio. Depois de alcançarmos a última corrente antes da barragem, começamos a pescar. Viam-se muitos insectos sobre a água e como tal ficamos com a sensação de que poderiamos ter alguma sorte. Os primeiros lançamentos na corrente começaram a surgir de forma intensiva. Num destes lançamentos mais dirigidos para a cabeça da corrente e próximo de uma zona de algas, entra a primeira truta. Apesar de estar com fio 0,12, não demorei muito a dominá-la e a trazê-la à minha mão, pois estava bem cravada na Mepps Aglia nº 1. Era uma linda truta com cor escura do Alfusqueiro … Um bonito exemplar imediatamente devolvido à água!

Com esta captura, prosseguimos para montante, batendo alternadamente as correntes e pequenos poços por entre tufos de erva e algas. Os lançamentos tinham que ser bastante largos e afastados da margem, pois estavamos com o sol nas costas e a margem era relativamente elevada quando comparada com o leito do rio. Até à ponte nada mexeu.

Eu fui o primeiro a chegar à ponte e resolvi bater a corrente e o pequeno poço por baixo da ponte. O Prof. Arlindo Cunha já se tinha adiantado para as correntes mais a montante. Insisti com vários lançamentos e curiosamente nada mexeu nos primeiros minutos. Não satisfeito, resolvi lançar para uma pequena zona mais parada lateral à parte mais forte da corrente que entrava na base da ponte. Lancei e mal a colher caiu, entrou logo uma truta com uma braveza impressionante. Dois saltos fora de água, corrida para a esquerda e para a direita à procura das algas, e comecei a pensar que tinha que me mexer. Saltei para cima de uma pedra onde podia controlar melhor a truta e com calma trouxe-a à minha mão. Mais um bonito exemplar do Alfusqueiro de 21 cm com a sua tez escura e pintas pretas bem definidas.

Com esta captura, avancei mais para montante onde me reencontrei com o Prof. Arlindo Cunha que entretanto já tinha tirado mais um exemplar. À medida que me fui aproximando dele, dei-me conta que havia algo que me queria dizer. De facto, fez-me sinal e disse-me que estava ali numa corrente uma truta de mais de 500 gramas. Uma situação que aproveitei para registar em foto 🙂

Efectivamente, de acordo com a indicação do Prof. Arlindo Cunha vi algo a mexer na corrente, mas não consegui distinguir o que era. Ia ter que ficar para a próxima.

Depois de mais este acontecimento, ainda tivemos 10 minutos para fazer os últimos metros até ao muro. Batemos as correntes milimetricamente, mas não vimos nem mais um peixe. Ainda mudamos para os rapalas e realizamos alguns lançamentos para montante do muro, mas foi pura perda de tempo. O dia estava terminado … eram 7h30 e a tarde foi cheia de emoções.

No global, valeu a pena esta paragem rápida no Alfusqueiro em Campia. Invadimos território do Miguel, mas de forma muito rápida e sem deixar grande mossa. Comprovamos que apesar de alguma intensidade de pesca e alguma poluição que se faz sentir, o rio Alfusqueiro continua a proporcionar excelentes momentos de puro prazer na pesca às trutas.

Related Posts with Thumbnails




Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.