Rio Dinha – Leito e caudal – Fevereiro de 2012

Rio Dinha – Leito e caudal – Fevereiro de 2012


Em mais uma viagem pelas terras de Campo de Besteiros, resolvi fazer uma paragem no Rio Dinha, já perto da Barragem do Paúl. Este troço está incluído numa concessão de pesca desportiva e como tal deveria conter uma população de trutas com uma densidade bastante razoável.

À semelhança daquilo que já tinhamos observado anteriormente no Alfusqueiro, o Dinha também apresentava um caudal bastante baixo. As correntes são quase inexistentes e os poucos poços que vimos não tem capacidade para sustentar uma densidade razoável de peixes. Nalguns troços, o caudal era tão baixo que a prática do spinning era impossível durante dezenas de metros. Ainda tentamos visualizar alguma truta, mas infelizmente nem um peixe vimos. Penso que as fotos são esclarecedoras e mostram claramente a falta de água que se faz sentir neste rio.

Mais uma vez, é nossa opinião de que a abertura à pesca neste rio, com este tipo de condições, poderá não fazer muito sentido. Com muito pouca água, o nível de stress a aplicar sobre as trutas, apenas contribuirá para diminuir a sua capacidade de sobrevivência, obrigando-as a eliminar as últimas reservas energéticas que ainda possuem.

Como este troço de rio está sob alçada de uma associação da zona, penso que o adiamento da abertura da pesca à truta não deve levantar muitas questões. Esta parece ser a medida mais correcta, mas só quem conhece bem o rio nesta zona é que poderá tomar a melhor decisão.

Related Posts with Thumbnails




Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.