Abertura em Pisões – condições da albufeira

Abertura em Pisões – condições da albufeira

Mais uma vez chegou o dia tão desejado pela maioria dos pescadores de trutas que gosta de pescar na zona do Gerês. Depois de muitas peripécias ao longo do primeiro mês de temporada geral da pesca às trutas, era muita a ansiedade para ver como iria estar o nível de água da Barragem de Pisões e sobretudo para comprovar o comportamento das trutas no primeiro dia. A enchente já estava mais do que garantida, pois com a falta de água generalizada que se vive por todos os rios deste país, sobram apenas as barragens para se conseguir capturar alguns exemplares de trutas que estejam mais bem alimentados.

O panorama que se viveu no primeiro dia correspondeu exactamente ao esperado e as fotos testemunham essa realidade. Desde as 5 ou 6 horas da manhã que se começaram a ver pequenas luzes por toda a barragem e a enchente estava mais do que confirmada. A procissão de carros nas estradas de acesso à barragem foi um facto notório. No caso da entrada de barcos no parque de campismo, o cenário também era esclarecedor. Quando lá chegamos, encontramos pelo menos 30 barcos nas proximidades e outros tantos já deviam estar dentro de água. Verdadeiramente impressionante!! O pessoal todo cheio de adrenalina e com vontade de serem os primeiros a passar nos locais mais promissores. Respirava-se vicio por todo o lado.

À medida que o céu foi clareando, fomos fazer um pequeno percurso pela margem e também verificamos que estava tudo pejado de canas. Nos promontórios e baías mais fundas, não havia espaço para mais ninguém. Nós íamos pescar ao spinning, mas a densidade de canas era tal (penso que nalguns casos existiam 5 canas por pescador) que eu já me estava a ver a fazer um lançamento por cada 300 metros. Estava mesmo de loucos.

Relativamente ao nível da albufeira, pareceu-me estar cerca de 15 metros abaixo do nível normal, ou seja bastante baixa. Como se pode pode ver pela foto, os carros estavam estacionados em zonas onde tradicionalmente deveriam estar pelo menos 10 metros de água em cima. Desde logo, esta situação concentra mais as trutas em determinado tipo de locais, mas também as põe em maior nível de alerta, pois os ruídos e sombras propagam-se mais rapidamente. De qualquer forma, este baixo caudal também permitia que os pescadores acedessem a locais de pesca mais centrais na Barragem, tendo sido muitos aqueles que se instalaram nas ilhas da Barragem, alguns desde o dia anterior.

No global, a conjugação de um baixo nível da água com a elevada concentração de pescadores pareceu-me ser uma receita para um dia da abertura bastante difícil e com reduzidas capturas. Atendendo às condições que fui observando ao longo do dia, pareceu-me que os melhores dias de pesca ainda estavam para vir, e se calhar logo após a abertura 🙂

Related Posts with Thumbnails


Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.