Água para as trutas …

Água para as trutas …




Não há fome que não dê fartura!! É bem verdade e mais uma vez se confirma este provérbio naquilo que diz respeito às actuais condições dos nossos rios truteiros. Depois de um final de ano de 2013 com muito pouca chuva, nada faria antever que o cenário iria mudar de forma tão radical. Efectivamente, já tinha escrito um artigo há algum tempo a reflectir sobre o flagelo que poderia ser uma seca prolongada na altura de desova das trutas, no entanto, e ainda bem, tal cenário está agora completamente afastado.

A pluviosidade copiosa dos últimos dias permitiu repor as normais reservas de água, e nalguns casos pontuais levou mesmo a que várias massas de água galgassem as margens, com prejuízos para algumas localidades. Apesar do mal causado, há sempre algum bem que sobra e sobretudo sobra para as populações de trutas que começam a ter boas condições para desovar e engordar. O excesso de água não é necessariamente um fenómeno bom para a desova, devido ao problema de arrastamento das posturas, mas mal os caudais voltem a níveis sustentados, as condições serão óptimas, pois neste momento as trutas já conseguiram ultrapassar os obstáculos e estão já nos pequenos ribeiros a prepararem-se para desova. Os meses fortes da desova no nosso país costumam ser Janeiro e Fevereiro, podendo eventualmente existir situações onde ela começa mais cedo ou mais tarde, dependendo do frio e de outros factores climatéricos e hidrográficos.

Os relatos que tenho recebido de vários pescadores de trutas de todo o país, indicam que as condições são boas e que deveremos ter um bom ano de trutas. Desde o Zêzere, passando pelo Côa, Alfusqueiro, Mondego, Lima, etc, surgem relatos de bons caudais que nalguns casos extravasaram as margens, mas que tenderão a assentar nos próximos tempos, desde que a chuva não seja em excesso, mas se vá mantendo a níveis razoáveis.

As últimas previsões do Windguru para Viana do Castelo continuam a apresentar chuva consistente para o início da próxima semana e portanto o cenário vai-se compondo.

Previsão meteorológica Janeiro 2014

No global, temos razões para crer que caminhamos para uma boa abertura das trutas em 2014. Se a chuva não for em excesso, poderemos também ambicionar uma desova bem conseguida que pode aliviar o desgaste sofrido pela população de trutas nos últimos anos.

Fica só uma alerta importante para as autoridades competentes que fiscalizam os rios nesta altura, porque eu sei que alguns até visitam este espaço regularmente. Este é um momento crítico para as trutas, à medida que se congregam em pequenos ribeiros com pouca água para desovar. Muitas são as histórias de furtivismo implacável nesta altura em que se enchem sacos de batatas com trutas e se desbastam os grandes exemplares. Estou-me a lembrar dos ribeiros afluentes dos Pisões (onde todos os anos se fazem grandes misérias), do Lima, do Cávado e do Minho, entre outros. Como bem sabemos, não irá faltar gente sem escrúpulos disposta a tudo e só uma acção eficaz e exemplar poderá ter algum impacto nesta gente. Não é altura de ficar debaixo de telha e deixar as coisas ao Deus dará. Pagamos impostos e agradecemos que façam o vosso trabalho e patrulhem intensivamente as zonas preferenciais de desova. Só isso, já será suficiente para podermos ambicionar termos muitas mais trutas para pescar este ano! Se desejarem, podem sempre me enviar notícias de detenção de furtivos que eu terei todo o gosto em publicá-las neste espaço!

Related Posts with Thumbnails


Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.