Rio Neiva … Concessão? Condições?

Rio Neiva … Concessão? Condições?




A menos de 10 dias da abertura da pesca à truta, passei pelo rio Neiva na zona entre a A28 e a EN13 para comprovar duas coisas: primeiro, como é que estavam as condições do rio e segundo, para ver até que ponto é que já tinham sido colocadas as placas da nova concessão de pesca.

Relativamente ao primeiro aspecto, nada falhou. Depois de um dia de chuva fraca, deparei-me com o rio Neiva nas condições ideais para proporcionar uma excelente jornada de pesca às trutas. Céu encoberto, água com corrente média a forte sustentada e com uma ligeira cor escura. Adicionalmente, a temperatura média da água andava nos 9 a 13 graus centígrados. Condições ideais para as boas trutas estarem a comer no centro das correntes com maior profundidade e para as amostras serem trabalhadas com máxima eficácia.

Rio Neiva - caudal Fevereiro 2015

Relativamente à questão da concessão, nem sinal de placas ao longo das margens durante várias centenas de metros. Como o despacho de autorização da concessão de pesca data do dia 15 de Outubro do ano passado, penso que a entidade gestora já teve tempo mais do que suficiente para tratar de todos os pormenores relativos à exploração para a por a funcionar antes do início da temporada de pesca à truta 2015. No entanto, a falta de plano de exploração no site do ICNF também é um sinal comprometedor.

Perante esta total ausência de indicações, quer da entidade gestora, quer das entidades legais, penso que todos os cenários são possíveis para a pesca no troço final do Neiva. Como já vimos, só as placas é que contam, caso existam. Portanto, enquanto não existirem placas, estamos perante águas livres.

No global, toda esta problemática levanta mais uma vez a questão da incompetência na gestão dos direitos de pesca. A entidade competente (ICNF) não pode apenas despachar concessões, deve também fiscalizar de forma periódica o comportamento das entidades gestoras. Senão, andamos com situações em que temos apenas concessões fantasmas: existem no papel e não existem no terreno, ou então pior, existem no papel e no terreno, mas na prática não funcionam devidamente. Tudo isto era muito bonito senão se impedisse o livre acesso de todos os pescadores às massas de água nestas situações. O problema é que apenas alguns, mais sabidos, é que se aproveitam destas situações, em detrimento de todos os outros.

Related Posts with Thumbnails


Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.