Cheias na Ribeira de Portuzelo …

Cheias na Ribeira de Portuzelo …


Este fim de semana foi bastante pródigo em precipitação e como tal foi notória uma situação de cheias que veio por às claras muita da pobre gestão hidrográfica que tem vindo a ser realizada nos últimos anos. Efectivamente, em muitos locais pouco se avançou na prevenção deste tipo de fenómenos e fez-se muita construção e outras obras em zonas sensíveis que em nada ajudaram ao escoamento das águas, levando a sérios prejuízos para as populações.

Felizmente, o caso que aqui trago não é sintomático desta situação, mas apresenta um dos cursos de água truteiros de Viana do Castelo em plena cheia. Trata-se da Ribeira de Portuzelo depois de uma forte chuvada, apresentando condições de forte corrente, mas não demasiadamente forte para poder galgar as margens e atingir as casas. A força da água é notória e gera correntes com enorme poder em zonas muito concretas.

Ribeira de Portuzelo - cheia Fevereiro 2016

Ribeira de Portuzelo - cheia Fevereiro 2016 - 2

Do ponto de vista da população de trutas, não me parece que este tipo de situação seja prejudicial para uma ribeira como esta, já que a mesma estava a atravessar um período de alguma crise de densidade, e isto pode ser benéfico para permitir uma boa subida de mariscas e uma regeneração do habitat das trutas indígenas. Poderá eventualmente não ser a melhor solução de um ponto de vista da desova, que possivelmente, já estaria em andamento ou finalizada, mas permitirá certamente outra concentração de alimento e nutrientes neste curso de água.

No global, é com alguma apreensão que olhamos para as imagens desta ribeira durante o período de cheia e que começamos a pensar o que é que nos espera na temporada que aí vem. Normalmente, anos de cheias costumam ser bons anos de pesca, mas depois do que já tenho visto na zona do Minho, só mesmo vendo para crer!!

Comentários Facebook - Trutas.PT
Related Posts with Thumbnails




Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.