Trutas de Agosto no Mondego …

Trutas de Agosto no Mondego …

Esta semana resolvi realizar uma breve visita ao Rio Mondego na zona junto do Porto da Carne para ver como se tem aguentado a densidade de trutas neste local. Obviamente, antes de encetar esta expedição, resolvi passar pelo ICNF da Guarda para ter a certeza de que não tinha saído nenhuma portaria de última hora que viesse proibir a pesca neste rio em Agosto. Com essa confirmação do meu lado, resolvi então avançar para o rio chegando à margem do mesmo pelas 9h30.

Com o dia quente e com sol, peguei no material de light spinning e comecei a lançar na parte superior de um açude. Inicialmente, não vi qualquer truta. Apenas se viam alguns escalos e sobretudo bordalos de pequena dimensão a seguir a Mepps Aglia nº1. Durante os primeiros 15 minutos de pesca era notória a inexistência de trutas, mas também os locais de pesca iniciais eram zonas de fácil acesso e onde se notava claramente a elevada pressão de pesca.

Saindo destes locais mais visitados, comecei a ver os primeiros exemplares a mexer. Trutas de tamanho razoável e duas ou três acima dos 30 centímetros. Seguiam a colher ou subiam ligeiramente do fundo para ver o que era aquilo que andava a navegar a meia água, mas rapidamente voltavam ao seu local de poiso ou então deslocavam-se para águas mais fundas e zonas mais encobertas. Estavam bem ensinadas!!

Truta à espera na corrente - Rio Mondego Agosto 2016

Neste cenário, fui avançando lentamente até que cheguei a um poço com alguma profundidade. Entretanto, já tinha trocado de material, metendo um fio 0,18 e uma colher Mepps Aglia nº2 para o caso de ter a sorte de ter um ataque de alguma truta de maior dimensão.

Lançamento largo para a direita do poço, comecei a recuperar, a colher andou cerca de 10 metros e de repente sinto uma pressão de linha e vejo uma truta a sair fora de água. Levanto a cana e cravo, saltando a truta fora de água. Atendendo a que não era um exemplar de boas dimensões, não me custou muito em dominá-la e em pouco menos de 1 minuto, já tinha uma linda truta de 22 centímetros do meu lado. Um exemplar com um bom porte, mas com estranhas marcas na lateral. Cicatriz de algum predador …

Truta 22 cm Rio Mondego Agosto 2016

Depois de devolver a truta à água, estava eu a pensar qual seria o predador que teria causada aquilo quando vejo um torpedo a passar por mim dentro de água e a parar a dois metros de mim! Uma lontra tira a cabeça para fora e fica a olhar-me a cerca de 4 metros. Ficou de tal maneira assustada que arrancou para montante e saltou fora de água usando a margem oposta. Estava explicada a marca lateral da truta e também estava quase arrumada a pescaria, pois a lontra vinha de montante.

Enfim, com o tempo a aquecer e desanimado pela aparição da lontra, ainda fiz mais uma hora de pesca e consegui capturar mais uma truta de 20 centímetros. Esta, felizmente, sem marcas de lontra!!

Truta 20 cm Rio Mondego Agosto 2016

Enfim, apesar da peripécia da lontra, ainda visualizei mais algumas trutas. A maioria de pequeno tamanho, mas uma ou outra de dimensão mais razoável. Claramente uma melhoria significativa relativamente às minhas incursões de anos passados, onde cheguei a temer pela possibilidade de a população de trutas ter atingido mínimos históricos. Só com este facto, fiquei bastante satisfeito e se calhar ainda passarei pelo Mondego para mais uma visita …

Related Posts with Thumbnails


Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.