Uma boa truta do Rio Lima …

Uma boa truta do Rio Lima …


Já a chegar perto do meio dia, eu e o Bruno resolvemos mudar de sítio no rio Lima e experimentar uma zona onde eu já não pescava há mais de um ano. Desde a construção do novo açude de Ponte de Lima, houve uma alteração significativa da configuração de alguns locais de pesca acima da vila de Ponte de Lima e ainda não tinha tido curiosidade de bater essas novas zonas. A subida do nível da água e a alteração dos habitats eram alguns dos factores que me suscitavam sérias dúvidas sobre a densidade de peixe e a existência de aberturas para se poder pescar ao spinning desde a margem.

De qualquer forma, e perante um dia de pesca razoável, resolvi arriscar para ver o que se passava. Assim, eram 11h30 quando entramos na zona planeada com o material de heavy spinning que já trazíamos dos troços anteriores. Começamos a malhar nas zonas de água mais calma. Via-se uma que outra truta a aflorar ao longe, mas os lançamentos sucediam-se sem resultado. Isto num contexto onde os locais de pesca disponíveis para o spinning eram bastante raros e portanto nós tínhamos que andar quase mais de 200 metros para achar um local viável para o próximo lançamento. A subida do nível da água não tinha perdoado e tinha criado um cenário que é sobretudo favorável para o spinning de barco.

Com estes pensamentos, fomos avançando e numa zona onde começaram a aparecer as primeiras correntes, tenho um primeiro toque. Lançamento para montante numa zona de pouca profundidade, a amostra vem a rodar muito próximo da superfície e vejo um peixe a arrancar do lado direito a toda a velocidade e meter-se no direito da amostra. Perseguiu-a durante 10 metros, depois meteu o turbo, abriu a boca e deu uma valente pancada na colher. Infelizmente, não cravou e sentiu bem o aço!! Nem valia a pena lançar novamente no mesmo local.

Com este episódio fechado, avancei para a zona do primeiro açude onde me encontrei com o Bruno. Ele resolveu avançar para o açude e atravessá-lo de um lado ao outro a pescar. Eu resolvi ficar a pescar na parte de cima do açude.

A água não era muito profunda para montante do açude, mas existiam algumas boas correntes e algas dispersas pelo fundo. Comecei a lançar o mais longe possível e a tentar bater o máximo de superfície. Os lançamentos iam-se sucedendo e rapidamente cobri as zonas mais promissoras. Já consciente de que estava na ponta final, resolvi insistir numa zona para montante onde me parecia que havia um pouco mais de profundidade e uma corrente razoável. Lancei, lancei e lancei, e no quarto lançamento, tenho contacto!! Cravo, a cana dobra e sinto que do outro lado tenho um bom peixe. Levanto a cana e começo a tentar segurar o bicho, que do outro lado não dava descanso. A truta tentou fugir para a direita, levando algum fio, depois começou a enrolar-se e fui tentando trazê-la a bom porto. Depois de três minutos de luta, começou a render-se e foi altura de sacar o camaroeiro. Já bem cansada, não tardou a entrar na rede. Uma linda truta de 38 centímetros com um bom lombo e com umas pintas negras grandes. Um bonito peixe!!

truta-de-bom-tamanho-no-rio-lima-setembro-2016

truta-38-cm-rio-lima-setembro-2016

Com esta captura e depois de libertar a truta em condições, dei por terminada a faina, até porque já era hora de almoçar. Regressei ao açude onde esperei pelo Bruno que também tinha capturado três trutas, mas todas pequenas. Pelos vistos, deparou-se com três trutas de cerca de 40 centímetros, todas juntas, mas espantaram-se com a queda da colher!!

Enfim, já com a barriga cheia de bons momentos passados atrás das trutas, estava na altura de encher o estômago com comida de verdade e deixar as restantes trutas para o próximo ano. No global, uma boa forma de fechar a época oficial de pesca à truta, com um bom exemplar e na excelente companhia do Bruno …

Related Posts with Thumbnails




Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.