Condições no Rio Mondego – Trinta.

Condições no Rio Mondego – Trinta.

Nos primeiros dias de Abril, tive oportunidade de visitar o Rio Mondego a montante da povoação de Trinta, no distrito da Guarda. Para quem não conhece este local precioso nos contrafortes da Serra da Estrela, basta dizer que é um dos vales mais belos do nosso país. Entre escarpas intocadas e belissimas corre um dos maiores tesouros do nosso património truteiro: o rio Mondego. Sem mais apresentações, este é um local de paragem obrigatória para desfrutar de uma panorâmica maravilhosa e única no nosso país. Basta dizer que enquanto estive na margem do rio, tive o prazer de observar um falcão peregrino a caçar, perscrutando a margem do rio a rápida velocidade. Uma visão verdadeiramente inspiradora!

Saltando entre pequenas correntes e poços, o rio apresenta águas de extrema pureza sendo o seu caudal influenciado pela quantidade de neve existente na Serra da Estrela. Tive oportunidade de visitar um local chamado de açude (pequena mini-hidrica) e a ponte da EN 338 que atravessa o rio Mondego, ambos para montante da povoação de Trinta. Na primeira semana de Abril, a água estava bastante fria, mas com o caudal adequado para uma jornada ao light spinning. A boa combinação de correntes e poços com razoável profundidade conferem a este local boas condições para a pesca com amostras leves. Apesar de alguma dificuldade de movimento ao longo das margens em áreas mais escarpadas, não considero que seja uma área de pesca extremamente dificil. Isto, obviamente, se o rio não estiver fora do seu caudal normal. No momento em concreto em que estive na área, a actividade das trutas era bastante reduzida. Isto deveu-se a dois motivos. A água estava fria e apresentava influência do degelo da Serra da Estrela e existiam pegadas de pescadores que já tinham visitado o local no dia anterior.

Os poços de bom tamanho que fui vendo ao longo do breve percurso que realizei são um do activos mais valiosos deste rio. Estes poços são fundamentais ao desenvolvimento das trutas de bom tamanho. Não visualizei nenhuma, mas fiquei com o apetite bem aguçado, pois o potencial desta área é bastante elevado.  

No geral, a impressão com que fiquei é de que este troço de rio pode proporcionar boas pescarias, caso estejam presentes as condições para isso, nomeadamente águas mais quentes, caudais aceitáveis e trutas a alimentarem-se de forma activa. Fiquei sobretudo impressionado pela pureza das águas e pela beleza impressionante da paisagem que nos faz sentir pequeninos em frente à enormidade da natureza. Este é um local ao qual regressarei brevemente e para fazer uma pescaria a sério. O resultado está garantido; um enorme prazer associado a mais uma experiência mágica vivida numa paisagem natural ainda intocada.

Related Posts with Thumbnails




Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.