Condições do Rio Vade em Julho de 2011.

Condições do Rio Vade em Julho de 2011.

Na sequência de uma deslocação de Amares para Ponte da Barca, resolvemos parar numa das pontes dos lotes intermédios do Rio Vade para analisar as suas condições em termos de caudal e abundância de trutas. Este é um rio mítico da zona Norte para a pesca às trutas, sendo conhecido pela sua alta densidade truteira. No entanto, desde há vários anos a esta parte que toda esta linha de água é gerida pela Autoridade Florestal Nacional com base numa Zona de Pesca Reservada. O acesso a este rio é gerido por edital, existe bastante procura e como tal é relativamente difícil arranjar licenças para lá pescar. Como tal, ainda não tive a sorte de fazer estragos por lá 🙂

No local onde estivemos, verificamos que o rio apresenta ainda um caudal razoável atendendo à altura do Verão em que nos encontramos. Os poços apresentam-se com um volume considerável e existem ainda pequenas correntes e algumas quedas de água que permitem a oxigenação e o transporte de nutrientes para jusante. A limpidez e pureza das suas águas pareceu-nos também bastante elevada.

Foi com agrado que observamos vários peixes no local que consta da foto abaixo. Tratavam-se sobretudo de pequenas bogas e escalos que se encontravam em cardume. Possivelmente, ainda a recomporem-se da época da reprodução. Também conseguimos visualizar uma linda truta com cerca de 20 cm que se encontrava mesmo à superfície. A truta não demonstrou qualquer tipo de receio perante a presença do pescador e manteve-se em actividade. Pelo tipo de comportamento que apresentava, parecia estar à espera da passagem de algum insecto desprevenido.

Enfim, mesmo com a temporada de trutas no seu término, foi com agrado que vimos o Rio Vade ainda com boas condições para a pesca. A presença de algumas trutas de tamanho razoável e com uma atitude relativamente despreocupada parecem ser sintoma de que a pressão de pesca não foi excessiva durante a presente temporada e de que existem condições para que no próximo ano, a abundância de trutas seja ainda maior. Esperemos que sim e quem sabe no próximo ano pode ser que consigamos pescar neste grande pequeno rio 🙂

Related Posts with Thumbnails


Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.