Trutas nas correntes em Agosto.

Trutas nas correntes em Agosto.




Durante uma última pescaria realizada no mês de Agosto no Rio Mondego, tivemos oportunidade de verificar qual o posicionamento estratégico das trutas nesta altura do ano. Efectivamente, as trutas em Agosto precisam de alimento, protecção e oxigénio. Como tal, a sua actividade diária tem que ser repartida entre os poços e as correntes, destacando-se pela sua importância estas últimas.

Efectivamente, foi nas correntes que nos deparamos com mais trutas, com os melhores exemplares e com maior predisposição para atacar as amostras. Nalguns casos, verificamos que numa boa corrente num topo de um bom poço era possível encontrar vários exemplares. Normalmente, os exemplares de maior dimensão nas melhores posições na corrente, seguidos pelos exemplares de menor dimensão mais atrás.

No Verão, é bastante importante para as trutas fazer uma gestão equilibrada das suas energias, especialmente em zonas onde os caudais são bastante baixos. Assim, as correntes são bastante importantes, não só pelo facto de terem níveis superiores de oxigenação, mas também pelo facto de funcionarem como um tapete rolante de alimentos para as trutas. A truta tem apenas que despender a energia básica para se manter imóvel, esperando pelo alimento que lhe vai passar ao alcance da boca.

Não há nada como confirmar estas teorias “in loco”, como eu fiz no Mondego. Dois excelentes exemplares confirmam esse posicionamento das trutas durante esta altura do ano.

Para aqueles que ainda têm a possibilidade de visitar alguns dos nossos rios onde é permitida a pesca à truta até ao final de Agosto, as correntes devem ser locais de eleição, especialmente se quiserem pescar ao spinning. Uma grande parte dos melhores exemplares pode estar nesses locais e com vontade de morder. Tudo vai depender do tipo de dia em que se pesca, sobretudo das condições climatéricas e do caudal do rio.

Não se esqueçam que também é preciso alguma sorte 🙂

Related Posts with Thumbnails


Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.