Condições do Rio Lima – Março 2011.

Condições do Rio Lima – Março 2011.




Tal como já era tradição há vários anos, este ano voltamos a visitar o rio Lima, por alturas de Ponte da Barca, no dia da abertura. À semelhança de anos anteriores, encontramos um caudal fortissimo motivado pelos altos níveis de débito da Barragem de Touvedo. A semana de acalmia que se viveu antes da abertura não foi assim suficiente para permitir o escoamento do excesso de água que se foi juntando na bacia hidrográfica do ria Lima, devido às chuvadas torrenciais de Fevereiro.

Assim, e na área especifica onde tive o privilégio de pescar (entre Ponte da Barca e a Barragem de Touvedo), observei caudais elevados com correntes fortes e a níveis superiores aqueles que encontrei na primeira semana de Março do ano passado. As margens estavam com muita água e os lançamentos estavam sériamente limitados pela forte cobertura vegetal das mesmas. Só muito dificilmente se conseguia passar a amostra pelas áreas mais produtivas, pois a corrente forte não deixava que o isco atingisse a profundidade suficiente para ficar ao alcance das trutas. Pareceu-nos, assim, que a maioria das trutas estaria junto ao fundo nas correntes mais fortes. Por sua vez, as poucas trutas que se poderiam capturar estariam em pequenos poços ou redemoinhos protegidos da corrente principal, em zonas com forte cobertura vegetal (ramos de árvores e lenha morta).

No global, pareceu-nos que com estas condições é quase impossível pescar às trutas de forma eficiente no rio Lima. À medida que o tempo for aquecendo e a Barragem de Touvedo for reduzindo o seu débito, teremos então boas condições para tentar as trutas e possivelmente realizar boas pescarias. Agora só resta acertar na escolha dos dias certos para visitar este grande rio truteiro 🙂

Related Posts with Thumbnails


Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.