As primeiras trutas do Rio Lima

As primeiras trutas do Rio Lima

Que saudades que eu tinha do Lima! Especialmente com uma cana nas mãos e trutas pela frente!

Depois de muito planear, estava decidido. Tinha que pescar o rio Lima perto da zona de Ponte de Lima, num troço onde eu nunca tinha estado. Com tantos locais já batidos neste rio, parecia impossível que ainda houvesse algum segmento onde eu não tivesse passado, mas a verdade é que sim … havia!! A montante de Ponte de Lima, havia uma zona de cerca de 700 metros na margem esquerda onde eu nunca tinha pescado. Um local com bom potencial, mas que sempre descurei por várias razões até 2015. Agora tinha chegado a altura de finalmente atacar …

Como o Lima não era o meu alvo principal do dia, cheguei a este rio por volta das 9h30 e resolvi preparar o equipamento de heavy spinning. Cana de 1,8 metros, linha 0,18 e colher nº3. Os primeiros lançamentos saíram numa zona onde uma língua de areia vinha dar a uma pequena ilha, derivando depois numa corrente lenta e com uma profundidade de cerca de 3 a 5 metros. Os primeiros lançamentos saíram no final da zona de areia. Recuperações com alguma calma, para a amostra não passar muito longe do fundo, mas nada mexeu.

A água estava relativamente límpida e fria, e portanto era natural que as trutas não estivessem para muitas correrias. Resolvi então, avançar mais para jusante, à procura da corrente mais profunda. Estou para chegar ao local e vejo um peixe a vir à superfície e a tentar mosquear. Era truta.

Primeiro lançamento para o local, e nada. Segundo lançamento, nada. Terceiro lançamento, começo a recuperar e quando a amostra vem a meio do rio, sinto um puxão na linha. Bem cravei, mas nada ficou. Voltei a insistir, deixei afundar, e quando a amostra vem a passar no local onde tinha sentido o toque, levo uma ligeira pancada, cravo e vejo uma boa truta a dobrar dentro de água. Lá a seguro nas primeiras corridas e começo a encaminhá-la para a margem. Ela ainda tenta fugir, mas como estava bem presa, deitei-lhe a mão sem problemas. Tinha tirado a primeira truta do Lima com 29 centímetros.

Truta 29 cm Rio Lima

Esta captura animou-me e colocou-me em modo de ataque. Em duas horas, resolvi bater toda a corrente para jusante, mas sem grande sorte. Parecia que aquilo tinha sido apenas sorte de principiante.

Sem grandes opções, resolvi voltar ao sítio de partida e fazer então um pouco de troço para montante. O corte de árvores tinha facilitado um acesso a um poço e uma corrente que anteriormente eram quase impescáveis, e eu resolvi investir naquela zona. Bati os principais locais a milímetro e nalguns casos lancei várias vezes em zonas mais prometedoras. À entrada de uma corrente, levei um toque razoável, mas a truta não se cravou. Ainda insisti, mas esta era mais fina do que a anterior.

Depois deste toque, fui para a cabeça da corrente e passei para uma zona de areia mais calma com pouca profundidade. Não me pareceu um local muito favorável. Lancei para montante a procurar a outra margem, comecei a recuperar e quando vinha a meio caminho, sinto um leve toque na amostra, cravo e vejo uma linda truta a subir à superfície. Segurei-a para evitar a fuga para a corrente e tentei orientá-la para montante. Enrolou-se no fio e procurou meter-se num tronco perto da margem. Puxei-a com força e depois de se ter desenrolado, virou-se de barriga para o ar. Nem esperei! Deitei-lhe a mão … mais uma linda truta de 24 centímetros.

Truta 24 cm Rio Lima

Depois desta captura, e com o cansaço a instalar-se, resolvi mudar de local de pesca. Achei que para primeira incursão no Lima, o resultado até que não tinha sido mau e convinha repartir o meu esforço de pesca por outras massas de água. Certamente, que não faltarão oportunidades para voltar ao Lima, especialmente quando a barragem tiver um débito saudável, como foi o caso!!

Related Posts with Thumbnails


Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.