De passagem pela Ribeira de Portuzelo ..

De passagem pela Ribeira de Portuzelo ..


Depois de uma abertura com várias peripécias (algumas ainda por contar), no dia seguinte resolvi apostar em cursos de água com menor caudal. A chuva da abertura tinha posto os rios de grande e médio caudal com correntes muito fortes e era quase impossível por a colher ou o peixe artificial a funcionar. Perante este cenário, resolvi apostar nos afluentes do Lima e entre os quais surgiu logo a Ribeira de Portuzelo.

Segundo informação que me foi transmitida no ano passado, a ribeira teria recuperado de um sério problema de poluição e já deveria ter uma população saudável de trutas. Com este pressuposto, resolvi então passar por lá e pescar durante uma hora e meia, no troço entre o açude da foz e a ponte de pedra para montante da estrada nacional. Trata-se de um troço com vários açudes e com uma corrente lenta sustentada, tendo potencial para albergar trutas de bom tamanho.

Como estava a pescar para montante, os primeiros lançamentos com uma colher Mepps Aglia nº2 surgiram na saída do açude da foz. A corrente que saía da ribeira era considerável, mas a colher conseguia funcionar bem, desde que os lançamentos saíssem para montante. Palmilhei o açude durante 15 minutos e não tirei nenhuma truta. Apenas vi uma pequena marisca a seguir a colher e a dar a volta para trás aos meus pés.

Terminado este primeiro açude, avancei para o de cima. Primeiro lançamento para montante e para a outra margem do açude. A corrente era bastante forte. A colher começou a rodar e rapidamente avançou para o muro, quando estava a entrar no muro sinto um puxão na linha, cravo instintivamente, e vejo uma truta a saltar fora de água e cair pela queda de água abaixo. Levanto logo a cana e tento controlá-la na forte corrente para jusante do açude. Ela continua a tentar fugir para a margem, mas com força (uma vez que estava com 0,18) consigo segurá-la e ponho-a ao meu alcance. Uma linda truta de Portuzelo com 25 centímetros e com umas cores e pintas impressionantes.

Truta de 25 cm - Ribeira de Portuzelo - Março 2014

Depois desta captura animei para realizar o troço para montante. Estava claramente à espera de encontrar bons exemplares, mas as esperanças foram goradas. Durante mais de uma hora, palmilhei uma zona de corrente lenta espectacular, uma saída de um ribeiro e umas correntes promissoras, sem qualquer resultado. O caudal da ribeira começou a descer lentamente e eu antecipei que fosse uma boa altura para as tirar. Meu engano!! É que nem se viam e o mais estranho de tudo era que as margens nem estavam assim tão calcadas no local onde andei.

Perante este cenário, fiquei um pouco desanimado com a pescaria na ribeira de Portuzelo. As trutas podiam até estar inactivas, mas não ver nenhuma em zonas de primeira qualidade, deixou-me um pouco apreensivo sobre a densidade piscícola da zona. Enfim, espero que tenha sido apenas um mau dia de pesca e que os meus receios não se confirmem. Se calhar mais tarde na temporada, posso ter uma ideia mais clara sobre o que se está a passar na ribeira de Portuzelo. Se tudo correr bem, espero lá passar em finais de Abril ou princípios de Maio e aí voltamos a falar 🙂

Related Posts with Thumbnails




Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.