Condições no Rio Minho – Março de 2013

Condições no Rio Minho – Março de 2013


No dia 2 de Março, tive oportunidade de passar pelo Rio Minho e como é costume tinha que parar para verificar como estavam as condições do rio. Estacionei na foz do Rio Gadanha, e tal como esperado deparei com elevado caudal, que se justificava não só pela maré alta, mas também pelas fortes descargas da barragem espanhola. De facto, na zona a montante de Monção consegui ver níveis de força de corrente que já não via há alguns anos. Não havia amostra que conseguisse afundar com aquelas condições 🙂

Em termos de pesca, deparei com três barcos a pescar na zona da Lapela. Todos eles estavam a pescar à deriva, com a corrente, praticando um spinning selectivo, ou seja, lançando para as margens à procura das trutas. Fiquei surpreendido de ver pelo menos 5 pescadores da margem do lado espanhol, enquanto que do nosso lado, apenas vi um pescador.

Rio Minho Março correntes 2013

Atendendo ao panorama, parece-nos que esta tendência se vai manter nos próximos tempos, especialmente enquanto houver água para despejar do lado espanhol. Com a chuva que ainda se espera, ainda vai demorar para apanhar um dia com o rio em baixo.

Entretanto, e depois de uma visita a Olicacipesca, fiquei a saber que a abertura no Minho correu bem, especialmente para quem andou de barco atrás delas. Um Espanhol que estava na loja contou que tinha tirado 15 “reos”, e ficou com 9. Já a tónica geral foi a de que saíram umas boas mariscas na maioria dos barcos e um pequeno salmão. Para já o panorama de salmões não me parece muito animador, isto apesar de já ter saído este ano um bicho de 12 kilos nas redes dos profissionais. Isso à cana é que era luta 🙂

Para já estas são as novidades do Rio Minho. Muita água e para quem anda nas margens, os próximos tempos devem ser complicados, a não ser que se caia numa boa zona e que elas estejam encostadas. Há que esperar por melhores dias 🙂 Até lá vamos insistindo …

Boas pescarias

Related Posts with Thumbnails




Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.