Condições no Rio Minho – Março 2015

Condições no Rio Minho – Março 2015


Na semana passada estivemos no Rio Minho no dia da abertura e o cenário não era nada animador. Considerando que normalmente o Domingo até é um dia calmo em termos do débito da barragem espanhola, mas este ano as coisas foram completamente diferentes. E estamos a falar não só do que se passava na água, mas também fora dela. Do lado espanhol, nunca vi tanto pescador na vida!! Estamos a falar de pelo menos 15 junto à foz do Mouro enquanto que do lado português éramos apenas 5. Total invasão!!

Para dar uma ideia mais exacta do cenário, chegamos à foz do Mouro às 11h30. O rio estava com um caudal bastante elevado inundando uma grande parte do troço final do Mouro. A corrente registava níveis muito acima da média e a colher só conseguia trabalhar bem em alguns recantos e zonas de redemoinhos. Tudo o resto era “wishful thinking”.

Eu e o Torres lançamos sucessivamente na foz do Mouro, mas não tivemos qualquer sinal de truta. A maioria dos pescadores que estavam connosco andavam a pescar à minhoca chumbada e também não tiveram qualquer sorte. O único sinal de peixe que tivemos foi um toque que o Torres conseguiu arrancar numa corrente para jusante da foz do Mouro utilizando uma daquelas colheres berrantes que só se utilizam em situação de desespero. Que já era o caso naquela zona!!

Caudal do Rio Minho abertura 2015

Entretanto, e na sequência de várias conversas telefónicas tidas com pescadores de Monção e Melgaço, as condições do rio pouco se têm alterado e as notícias de capturas não são muito animadoras, especialmente desde a margem, porque de barco é outro campeonato. Efectivamente, parece que vamos ter que esperar por melhores dias para atacar o Minho a sério. Resta esperar com paciência por dias com menor débito da barragem em que os poços com maior potencial fiquem ao alcance das nossas amostras.

Related Posts with Thumbnails




Informação sobre o autor

Pescador de trutas desde os 18 anos. Tem uma forte dedicação ao spinning com colher e peixes artificiais, tendo pescado em Portugal, Espanha e no Reino Unido. Actualmente, pesca sobretudo na zona do Minho, Gerês e Centro do país.